Páginas

MORALIZAÇÃO

Publicado por António Luís | Marcas , | Publicado em 30.4.09

Esta é uma das palavras que a lusitana política mais repete. Para disfarçar e quando se lembra, a classe política trata de a colocar em prática, como aliás se constata pela votação de hoje na Assembleia da República, em que os deputados (com 2 excepções - curiosamente do PS...) votaram, entre hossanas várias, o aumento do "dinheiro vivo" a entregar aos partidos. Os bons exemplos vêm dos bons rapazes, com os moralistas como Louçã e outros, agora calados que nem ratos. Outra notícia a babar moralismo é a atribuição de um subsídio mensal de residência no valor de 941.25 Euros ao Presidente do Conselho Científico para a Avaliação dos Professores, que está "desterrado" em Aveiro. Este subsídio é pago pelo Ministério da Educação, o mesmo que, como está bom dever, vai passar a pagar subsídio de residência aos milhares de professores que estão longe do seu local de residência habitual. Quem duvidar disto é do grupo dos pessimistas e velhos do Restelo! A moralização está, pois, em pleno curso e recomenda-se!

O QUÊ?

Publicado por António Luís | Marcas | Publicado em 29.4.09

Bloco Central? O descaramento não tem limites?... Esperem lá que vou ali vomitar e já venho!

MAGIA SOBRE CARRIS

Publicado por António Luís | Marcas | Publicado em 28.4.09

Comboio Intercidades com Locomotiva LE-5600 a entrar na estação de Coimbra B
Foto: (c) A. Luís
Hoje fui à Estação de Coimbra B, esperar um passageiro vindo de Lisboa num Pendular. Gosto de comboios desde a primeira vez que vi um. É um fascínio quase mágico! Terá sido na passagem de nível de Fornos, na zona de Souselas. Desde então que o fascínio se mantém. A minha vida tem largas dezenas (talvez umas duas centenas...)de milhar de quilómetros feitos sobre carris. Incontáveis viagens para Lisboa, no serviço militar e não só; um ano inteiro durante 5 dias por semana entre Coimbra-Aveiro-Coimbra; viagens para o Porto, Braga, Guarda, Caldas da Rainha, Figueira da Foz, etc... Já percorri quase todas as linhas nacionais: a Linha do Norte; Linha do Oeste, Linha da Beira Alta até Guarda e daí até Entroncamento (Linha da Beira baixa); ramal da Lousã; Linha de Sintra; Linha de Cascais; Linha do Sul, entre Lisboa e Tunes... Entre os velhos e míticos Alfa, os ainda mais míticos Inter-regionais, os regionais e os suburbanos, apanhei de tudo. Atrasos, acidentes (atropelamentos...), tudo me aconteceu sobre carris. Até várias viagens na cabine das locomotivas, na companhia de um amigo meu, (quase irmão) maquinista, em comboios de mercadorias, de madrugada, com um frio gélido, em locomotivas eléctricas velhas (classes 2500/2550) cheias de correntes de ar e sem aquecimento; nas mais modernas 2600 e 5600; em locomotivas diesel (1400 e 1930), Automotoras Allan, etc... Sempre que viajo de comboio ou até quando simplesmente os vejo, de perto ou de longe, a mesma emoção acontece. Este assunto -comboios - por ser tão marcante (ainda assim não tanto como os aviões...), voltará aqui ao Latitude 40...

AUSÊNCIA

Publicado por António Luís | Marcas | Publicado em 27.4.09

"Camponesa" - José Malhoa
Hoje, no trajecto que todos os dias me trás de volta à cidade, numa pequena aldeia mergulhada da eucaliptolândia, uma mulher camponesa sachava junto a um corrimão de videiras. O céu estava encoberto e o chuvisco descia do céu num silêncio de túmulos. Ao vê-la, na sua calma de galinhas, pensei o que passaria pela cabeça da senhora... ... A gripe suína? ... O "caso Freeport"? ... O futebol? ... A doença da democracia? ... O "Prós & Contras" de hoje à noite? Duvido. Talvez que depois de cavar junto às videiras, a camponesa pensasse ir apanhar um molho de pasto para as ovelhas e para as cabras e depois tratar do jantar. O mundo, certamente, não passa junto aquele corrimão de videiras...

A EXCEPÇÃO

Publicado por António Luís | Marcas | Publicado em 27.4.09

O habitual vómito televisivo também tem os seus momentos de tréguas. Ontem , na RTP2, um magnífico documentário, sem uma única palavra, dita ou escrita. "Chronos". Por ele percebemos (melhor) o mundo em que vivemos. O vagar da natureza em contraste cortante com a nossa pressa permanente para chegar a lado nenhum, na ânsia às vezes louca de atingir enormes feitos e possuir duas mãos cheias de nada.

O DIA SEGUINTE

Publicado por António Luís | Marcas | Publicado em 26.4.09

Depois das mãos no peito de ontem, da chuva de cravos, dos acusatórios e das inflamações revolucionárias ou fascizantes, a nação volta para a bovinidade metodicamente aprendida e praticada nos últimos anos. Tudo quieto e ordeiro, a bem da nação! Um bom domingo no mundo!

LUGARES ANDADOS - 1

Publicado por António Luís | Marcas | Publicado em 25.4.09

Gavinhos- Penacova
Cortegaça - Ovar
Foz do Arelho
Triesen - Liechtenstein
Vaduz - Liechtenstein
(c) A. Luís

O LOGRO

Publicado por António Luís | Marcas , | Publicado em 25.4.09

Há já bastantes anos que as comemorações do 25 de Abril estão, digamos, embalsamadas. Há já demasiados anos que os discursos se repetem na substância. Uma alma caridosa que gravasse a "coisa" e, ano após ano, a passasse nas rádios e televisões, sem os comentários fastidiosos dos "especialistas" e o "relato à la futebol" dos repórteres, o país agradecia e, certamente, nem daria pelo logro!...

FUMO E FOGO

Publicado por António Luís | Marcas | Publicado em 24.4.09

Ontem, por três (contadas) vezes, na rua, ouvi pessoas conversando, empunhando uma mesma expressão que, nesta data, colhe uma consistência difícil de imaginar... "(...) estes tipos do pensamento único, são perigosos!" Fora de Lisboa. Na dita parvónia. No Portugal profundo... ...Que não dorme!

COISAS DO TEMPO

Publicado por António Luís | Marcas | Publicado em 23.4.09

Há (muitos) anos que não vejo um "Telejornal", seja lá qual for o canal de origem. Entre uma certa ideia de fatalidade ocupacional e um acto de voluntária higiene mental, arredei os ditos do meu acerto televisivo que, de resto, está pelos zeros de atenção. Não me sinto infeliz nem limitado no meu modo de ser e viver pelo facto. Na cozinha não há televisão, aí a higiene ainda fala mais alto e na hora de eventualmente lhe dedicar atenção, outros valores se levantam. A agenda noticiosa, que durante anos me fascinou até aos limites do dependência, foi substituída pelo acto da cozinha (leia-se panelas, tachos e ingredientes), sendo que saudade é uma palavra devidamente adormecida no léxico dedicado à televisão. Exceptuando os canais temáticos, que mesmo assim e não raras vezes, andam demasiado perto do fastio, a chamada "televisão generalista" é um pesadelo do qual me dispenso. Para a substituir, leio blogues (te todo o tipo), consulto sites informativos (alguns das próprias televisões); ouço rádio nas 2 horas diárias que passo trancado no carro em viagem e corro o olhar pelas capas dos jornais, sem contudo me deixar esmagar pelo seu sensacionalismo de manual. Outras vezes, prefiro uma certa ignorância que, sendo confortável para a consciência é, muitas vezes, docemente apetecível ao turbilhão castrante da actualidade. Quando se chega aqui, à Latitude 40, não é que a desilusão tome conta do nosso espírito, mas o facto é que já não acreditamos em contos de fadas ou, certamente pior do que isso, não depositamos demasiadas esperanças de que a transformação do mundo e dos homens se torne desiderato ou sequer algo de constatável. Digamos que nos deixamos tomar por um optimismo prudente, ou por um pessimismo à espreita da sua vez. Não se baixam os braços (há sempre caminho para andar), mas também não esperamos o que, em boa verdade e sã consciência não é de esperar...

PERCEPÇÕES DA REALIDADE

Publicado por António Luís | Marcas | Publicado em 22.4.09

Já temos um Cristo. Temo que Portugal já seja, de há muitos anos, um quase imenso "muro das lamentações"!... ... Não nos libertamos de amarras de séculos. Se o fizéssemos, já não seriamos nós. Não temos emenda.

CRISTO

Publicado por António Luís | Marcas , | Publicado em 22.4.09

Cristo voltou à Terra!
Escolheu Portugal.
Carrega uma Cruz.
É perseguido.
Vai-nos salvar.
Mudou de nome.
Chama-se José Sócrates.
Oremos por ele!

NÃO

Publicado por António Luís | Marcas | Publicado em 21.4.09

Não acredito que o Primeiro Ministro seja "espremido" logo mais na RTP. Não estou a ver a RTP a "cuspir" na mão que lhe dá sopa. Não estou a prever que Sócrates admita a mínima mácula na sua acção, pelo menos que a belisque. Não acredito que ele não cai na tentação de se agarrar às estatísticas e às habilidades contabilísticas em que o seu governo é mestre máximo. Não acredito que admita o afastamento de Cavaco e o colapso da "cooperação estratégica". Não acredito em bruxas, sabendo que as há. Não acredito no Primeiro Ministro!

ESTRANHAS SENSAÇÕES

Publicado por António Luís | Marcas , | Publicado em 20.4.09

O meu desprezo pela política é diametralmente oposto a algumas das minhas atitudes.
Oscilo sempre entre as suas paredes e não raras vezes costumo partir pedra em ambas...
Depois de duas greves e de ter vociferado mil raivas contra o ME e a sua "titular", eis-me, hoje, obediente como um bom bovino, cumprindo o "superiormente" estabelecido no que respeita à avaliação docente. Como se, 10 anos depois, voltasse ao estágio e tentasse provar que, minimamente, tenho unhas para tocar uma guitarra que nunca será afinada.
Mas nem tudo é mau...
... No fim destas contas todas, fico sempre com a sensação reconfortante de ter agradado ao "grande líder"!
Sinto-me tão, digamos, "quentinho"!...

EFICIÊNCIA

Publicado por António Luís | Marcas | Publicado em 19.4.09

Foto: (c) A. Luís
Às vezes penso que graças às tecnologias, estupidificamos de sorriso labial estampado e preenchidos com um ensimesmamento atroz. É muito fácil desperdiçarmos o nosso tempo, já de si escasso, com uma eficiência até há pouco inimaginável. O mais irónico é que às vezes o fazemos em nome da economia de tempo...

UM DIA FUI

Publicado por António Luís | Marcas | Publicado em 18.4.09

Foto: (c) A. Luís
...O "Abominável Homem das Neves", apanhado pela própria câmara no meio de uma incursão branca, numa das ocasiões em que a distância a Portugal foi demasiado higiénica e, como se vê, lavou mais branco! A minha relação com a montanha sempre foi de grande atracção. Gosto de sítios altos. De lá, apesar de mais rarefeito o ar, tudo aparece aos nosso olhos sob uma dimensão mais límpida. No meio daquele cenário, percebemos o quanto são ridículas e estéreis algumas guerras terrenas, travadas nos nossos espaços de sempre, a que nos agarramos tenazmente, e de como cacarejamos como galinhas face ao que consideramos vital e mais importante para as nossas vidas e que é, afinal, de uma pequenez cortante como os -8ºC que me envolviam. Não tremi de frio nem de coisa nenhuma. Fui o "Abominável Homem das Neves"!

ABERTURA

Publicado por António Luís | Marcas | Publicado em 17.4.09

Foto: (c) A. Luís - 2008
O que se pensa aos 4o? O que se faz aos 40? O que se sente aos 40? O que se viu e o que se vê aos 40? Percebe-se, pelo menos, que metade da passagem (ou mais) está cumprida. Olha-se para trás e, entre saudade, arrependimento e orgulho, projecta-se o futuro pelo presente, organizando ou tentando organizar o tempo e as ideias pelo tempo que falta e pelo tempo que passa. A ironia dos dias suplanta a arte, a arte carrega ironias e as palavras, por aqui, pretendem transportar ambas! Bem vindos à "Latitude 40"!