Páginas

SINAIS SIMPLES

Publicado por António Luís | Marcas | Publicado em 6.1.10

Um dos sinais mais claros e simples de como a vida muitas vezes nos ultrapassa ilegalmente, é a ausência de coisas que antes eram pilares dos dias. Aconteciam como o respirar ou o beber água. Sempre desenhei compulsivamente. Em todo o lado. Tenho um desenho minúsculo feito numa igualmente minúscula "folha" de papel com 1 cm2 de área... Uma cidade, imagine-se! Tanto desenhei que acabei por me tornar professor da especialidade. A dada altura da vida, comecei por desenhar menos e hoje, ironia das ironias, mando desenhar e raramente me dou a esse prazer libertador. Ironia tremenda, estou amarrado aos milímetros do tempo que tenho de gerir para tudo, tudo mesmo... Menos para desenhar.

Comentários (2)

  1. Os desenhos desta vida não têm necessariamente que ser feitos em folhas A4 ou guardanapos de papel. Podem ser feitos de carne e osso, que mamam, choram, mijam e fazem sorrir... Podem ser feitos de abraços e aquecem-nos por dentro... Podem ser feitos de palavras... E essas, desenha-las tu melhor que ninguém!
    Continua a "desenhar"!

  2. É algo imensamente triste, não nos podermos dedicar às artes que amamos. Eu não conseguiria imaginar uma vida em que estivesse impedido, por tempo ou qualquer outro motivo, de escrever. Ficaria louco, como já esteve para suceder uma vez.
    E se, de facto, desenhamos e escrevemos nas pequenas e grandes acções que tomamos no dia-a-dia, o facto é que a arte, por si, é um ferramente de libertação pessoal sem limites, libertadora, como dito.
    É com pena que sei que não tens tempo para te dedicar a esta arte que tento gostas. Pode ser que o futuro traga mais momentos de liberdade, e que este presente seja vaga nuvem passageira ;)

    Abraço

Enviar um comentário